Arquivo da categoria: Dicas…

Lançamento do livro “Lembranças do Vazio”

Capa livro

A obra captura a vida de dois irmãos, tornando-a imortal nas páginas de um romance singular. Uma leitura que nos faz refletir sobre o mundo e sobre nossos próprios atos.

orelhas

Sobre o livro

O que fazer quando nos deparamos com perdas irreparáveis ao longo da vida? Encarar os vários estágios de superação ou se entregar à dor, à sensação de vazio que insiste em preencher os dias?

Os irmãos Leônidas e Oscar, que cruzam as páginas deste romance, atravessaram inúmeros momentos como esses, em que o forte laço que os unia consolidou-se no alicerce que os mantinha de pé, mesmo quando seus caminhos se distanciavam.

Não se trata, contudo, de uma história de tristezas. “Lembranças do Vazio” é, acima de tudo, uma obra feita de memórias e trajetórias individuais, por onde desfilam amores, dúvidas, conflitos, experiências que acabam por unir pessoas para além dos laços de sangue.

Luiz Eduardo Farias tece sua narrativa com sensibilidade e bom humor. Leônidas se torna alguém familiar ao leitor, que percorre as aventuras e desventuras do protagonista em sua longa caminhada na construção de si como ser humano. Uma história que é, afinal de contas, um pouco a história de cada um de nós.

IMG_20160516_175929 (2)

Sobre o autor

Apaixonado por livros, cachorros e pelo Botafogo, Luiz Eduardo Farias é historiador e professor, lecionando no Colégio Municipal Delce Horta (Fevre) e no Colégio Estadual Baldomero Barbará. Natural de São Gonçalo (RJ), atualmente mora em Volta Redonda (RJ). Escreve crônicas e desabafos ligados a sua  profissão há alguns anos. Lembranças do Vazio é seu primeiro romance.

https://www.youtube.com/watch?v=-OAIO1iyDVQ

Onde comprar?

No Mercado Livre

No site do autor

Quero agradecer ao Declev pela oportunidade de divulgar meu livro aqui. Fico feliz de compartilhar esse momento tão marcante com todos vocês do Diário.

Teatro na escola: o que aprendi?

Existe muita coisa errada na Educação. Nada que não tenha sido exaustivamente discutida por muitos especialistas. Como não considero um deles, vou apenas fazer algumas considerações baseadas em ideias que tenho há algum tempo e que foram reforçadas com uma experiência maravilhosa que tive em uma das minhas escolas: o Teatro na escola.

Pra início de conversa: escola não é fábrica! Portanto, não devemos comprar o modelo industrial para produzir seres moldados conforme o padrão do mercado. Retiramos a humanidade da escola (se é que algum dia ela esteve presente) e viramos formadora de especialistas. Não importa o que ele vai fazer com esse conhecimento, basta tê-lo. Será?

Uma das maiores atrocidades da História (para alguns – a maior) foi fruto de uma sociedade extremamente organizada, disciplinada e muito bem escolarizada. Os alemães eram grandes especialistas. Tanto é verdade que conseguiram exterminar 6 milhões de judeus com uma velocidade e precisão digna de um país altamente desenvolvido.

Estamos formando engenheiros que são perfeitos conhecedores das ciências exatas, mas que é capaz de construir um prédio com areia da praia. Os políticos que hoje assombram o país com escândalos de corrupção passaram pela escola e aprenderam direitinho as lições de Português. São belos oradores. E os médicos? 10 em ciências! Que formidável! Mas é o mesmo que assina o ponto no Hospital público e vai embora correndo ganhar mais dinheiro na sua clínica particular.

Sei que você pode pensar: “Mas essas questões éticas são responsabilidade da família”. Sim, concordo plenamente. Mas o que fazer quando ela não cumpre o seu papel? A escola deve simplesmente ignorar? Se preocupar apenas com o conteúdo curricular?

Desenvolver o aspecto cognitivo é tarefa primordial da escola, mas sem valores humanos não temos uma sociedade melhor. E é papel da escola buscar uma sociedade melhor. Como fazer isso?

Deixar o aluno sentado em uma cadeira por horas e depois mandar ele pra casa com certeza não é o caminho. A escola supervalorizou a sala de aula. Daí estarmos com uma legião de alunos entediados, torcendo para ter uma aula vaga. Só assim ele tem um momento de liberdade, para movimentar o corpo, viver experiências.

A escola aprisiona os corpos dos alunos e eles resistem. Como pássaros, só querem voar. Mas por que não voar dentro da escola?

O colégio dos meus sonhos tem muito mais do que salas de aula. Nela há um auditório de música, onde os alunos podem aprender diversos instrumentos e soltarem suas vozes em lições de canto. Dentro do ginásio, existem diversas modalidades esportivas. É só escolher uma: tem um time de futebol, outro de basquete, vôlei, handebol, judô, ginástica, tênis de mesa… Na sala de artes encontramos quadros sendo pintados, desenhos ilustrando belas histórias e até mesmo pequenas esculturas sendo moldadas.

E, é claro, um belo espaço para um grupo de Teatro, onde os alunos podem explorar sua criatividade, o convívio em grupo, o controle sobre seu corpo, sua voz, e tudo isso sem deixar de estudar, pois o texto, a temática, o cenário, a música, o figurino e vários outros elementos do universo teatral são frutos de muito estudo.

Sei que foi uma introdução longa, mas tudo isso que escrevi até agora é apenas para mostrar pra vocês como estou feliz e realizado de ter conseguido montar uma peça teatral em uma das minhas escolas.

Nosso trabalho: Teatro na escola

O trabalho que fizemos em poucos meses de preparação e ensaios foi muito maior do que todos nós imaginávamos, inclusive eu. Começamos só com uma ideia e em pouco tempo estávamos com um espetáculo, em todos os sentidos.panfleto_Je suis sobrevivente

A peça tratava do Holocausto, mas usava a intolerância do mundo atual como gancho inicial e reflexão final. Foram 12 alunos envolvidos, que aceitaram ficar além do horário sem ganhar nenhum décimo de nota em troca. Eu fiz o mesmo. Passei horas, antes destinadas ao descanso, dirigindo os ensaios e cuidando de toda a produção da peça, sem ganhar um centavo a mais de salários. Pelo contrário, parte dele foi usado em alguns momentos, pois não queria pedir nada à escola.

Meu objetivo era simples: queria mobilizar os alunos, professores, equipe pedagógica e direção para provar que fazer arte na escola não é uma atividade complementar. Isso deve ser incentivado com a mesma importância que as disciplinas tradicionais. Nada mais convincente do que mostrar uma experiência de sucesso. E ela aconteceu!

Meus alunos fizeram várias apresentações, levando a mensagem da peça para cerca de 500 pessoas, entre pais, colegas, professores e funcionários. O impacto foi impressionante. O espetáculo emocionou a todos, inclusive nós que proporcionamos a existência dele.

Não tenho mais palavras para agradecer esses meus queridos alunos que entraram nesse barco comigo sem imaginar que chegaríamos em terra firme. Tenho orgulho de cada um deles, desde os que chegaram sem conseguir falar uma palavra, passando pelos que choravam só de pensar em falar na frente das pessoas até os mais habilidosos que fizeram tudo com uma leveza de profissional, todos eles são inesquecíveis.

O Teatro na escola, portanto, me proporcionou não só uma realização profissional. As horas de convivência desenvolveram uma admiração mútua, uma amizade sincera e um sentimento de ter feito parte de algo que não vai ser esquecido.

Após esta experiência, pude ver que meus pupilos são mais humanos. Eu me tornei mais humano. A escola se abriu para a possibilidade de ser mais humana. Missão cumprida!

Teatro na escola

Contos de fadas e outros livros

Esta relação de sites abaixo me foi enviada pela minha colaboradora e amiga Regina Milone.

São sites com contos de fadas e outros livros (muitos para downloads), visando a Educação Infantil e o educador.

contos de fadas

Tem sites para todos os gostos e que valorizam a literatura infantil. Ótimos para valorizar a leitura desde cedo!

Agradeço a ajuda da Regina e espero que seja bem útil pra vocês.

Abraços,

Declev Reynier Dib-Ferreira

Evento: I Seminário de Gestão e Avaliação em Educação

A avaliação em educação é um tema muito importante e atual.

Mas, como avaliar?

Eu tenho escrito algumas vezes aqui criticando a forma como vem sendo feita a avaliação da educação, não só no Brasil, mas principalmente aqui. Mas é um assunto vasto e complexo.

Então, divulgo o evento abaixo, pra quem puder participar:

O I Seminário de Gestão e Avaliação em Educação acontecerá na Universidade Federal de Juiz de Fora no dia 08 de agosto de 2014.

O seminário é organizado pelo Programa de Pós-Graduação Profissional – Mestrado em Gestão e Avaliação da Educação Pública da UFJF (PPGP/CAEd/UFJF).

Seminário
Maiores informações podem ser acessadas no site do evento.

Abraços,

Declev Reynier Dib-Ferreira

Livro de entrevistas sobre Educação Ambiental

Foi lançado um livro com a compilação das entrevistas sobre Educação Ambiental da Revista Eletrônica Educação Ambiental em Ação.

O livro é digital e está disponível para download gratuito.

O livro foi organizado por Berenice Adams, idealizadora do GEAI, pesquisadora, autora de diverso livros sobre educação ambiental.

Livro: “Coletânea de Entrevistas da Revista Eletrônica EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM AÇÃO”.

Entrevistas

São mais mais de cinquenta experiências, de diferentes atores sociais que, direta ou indiretamente, possuem vínculo com a Educação Ambiental.

Todos foram entrevistadas ao longo dos 12 anos da revista virtual Educação Ambiental em Ação (entre 2002 e 2014).

Para download do livro, clique neste link.

Eu participo com uma entrevista.

Abraços,

Declev Reynier Dib-Ferreira

 

Revista Eletrônica Educação Ambiental em Ação

A dica de hoje é a Revista Educação Ambiental em Ação. Ela é eletrônica e nasceu a partir do Grupo de Educação Ambiental da Internet – GEAI, em 2002. Este grupo mantém uma lista de discussão, onde a ideia surgiu e foi posta em prática por Berenice Adams, idealizadora do GEAI, pesquisadora, autora de livros sobre educação ambiental e uma das editoras da Revista EA, junto com Sandra Barbosa e Júlio Trevisan.

educação ambiental

A revista eletrônica Educação Ambiental em Ação publica trabalhos que estejam relacionados com os seguintes eixos temáticos:

  • Relatos de Práticas de Educação Ambiental;
  • Diversidade da Educação Ambiental;
  • Educação Ambiental e Seus Contextos;
  • Educação Ambiental e Cidadania;
  • Sensibilização e Educação Ambiental;
  • Reflexões para Conscientização.

Além dos artigos, a revista traz outras seções interessantes, como Dicas e Curiosidades, Reflexões, Textos de sensibilização, Dinâmicas, Entrevistas, Culinária, Arte e ambiente, Divulgação de Eventos e muitos outras.

Você pode enviar artigos ou outras colaborações. Vejam as normas de publicação. É interessante para o currículo porque a revista tem ISSN, sob o número 1678-0701.

Eu já participei duas vezes, uma com uma entrevista e outra com um artigo publicado.

Você pode também se cadastrar para receber as novidades em seu email.

E neste endereço você pode ver todas os artigos e textos de todas as edições.

Dê uma passada por lá e veja se não vale a pena!

Abraços,

Declev Reynier Dib-Ferreira

Dica de Filme: Estamira

Estamira é um filme sobre uma pessoa de nome Estamira.

Uma catadora de lixo com sua filosofia própria.

Estamira é uma mulher do povo, catadora em um dos lixões da Baixada fluminense. Dizem que é doida de pedra, mas é de uma lucidez delirante, tem um discurso apocalíptico, o que teria um Nietzsche antes de mergulhar na escuridão, ou de um Glauber Rocha, na fase em que anunciou ao universo ser o General Golbery do Couto e Silva um gênio da raça, ou um Geraldo Vandré, ao propor uma santa como padroeira do Exército. 

Ela sofria de distúrbio mental, mas suas palavras fazem nossa cabeça pensar.

Ela catava lixo no aterro de Jardim Gramacho.

Estamira morreu em 2011, mas sua vida ficou registrada em um premiado documentário.

Vale a pena conferir:

Abraços,

Declev Reynier Dib-Ferreira

Entrevista para o Programa Conversas, de Cabo Frio

Participei, há algumas semanas, de uma entrevista para o Programa Conversas, de um canal fechado de Cabo Frio, Rio de Janeiro (o Jovem TV, canal 8).

A dona do programa e entrevistadora é Natália Reynier, moradora de lá e uma “agitadora” social, política, cultural da região.

Coloco abaixo a entrevista, na qual conversei sobre educação ambiental, com foco nos resíduos sólidos.

Espero que gostem!

Abraços,

Declev Reynier Dib-Ferreira

https://www.youtube.com/watch?v=9Ft9ZOTNv8E

Não deixem também de ler alguns de meus escritos (monografia, dissertação, tese e outros).

ENEM 2014 – Inscrições abertas

Estão abertas as inscrições para o ENEM 2014.

As inscrições estão abertas até o dia 23 de maio de 2014. Fiquem de olho!

A taxa de inscrição é de R$ 35,00 (trinta e cinco reais), mas  alunos matriculados no último ano do Ensino Médio em instituições públicas de ensino, sejam federais, estaduais ou municipais, não pagam. É automático. Outros alunos têm que fazer a Declaração de Carência e a declaração seja aprovada pelo Inep.

Neste link você pode fazer a inscrição para o ENEM 2014.

As provas ocorrerão nestes dias:

08 de novembro de 2014 (sábado)

Temas: Ciências Humanas e suas Tecnologias e Ciências da Natureza e suas Tecnologias.

Tempo para a prova: 4h30

09 de novembro de 2014 (domingo)

Temas: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias, Redação e Matemática e suas Tecnologias.

Tempo para a prova: 5h30

É bom se preparar bem, porque a nota do ENEM pode ser usada para entrar em universidades públicas através do Sisu – Sistema de Seleção Unificada. Além disso, também podem servir para o ProUni – Programa Universidade para Todos, que oferece bolsas em instituições privadas e o Sisutec, para vagas gratuitas em cursos técnicos.

As notas do Enem também são pré-requisito para obtenção de bolsas de intercâmbio pelo programa Ciência sem Fronteiras.

Não bastasse tudo isso, algumas universidades estrangeiras também aceitarão notas do ENEM como pré-requisito para admissão, como a Universidade de Coimbra.

Então, prepare-se bem e boa sorte!

Abraços,

Declev Reynier Dib-Ferreira

ENEM – Temas das redações de todas as edições

ENEM – Temas das redações de todas as edições

O ENEM é o Exame Nacional do Ensino Médio, uma prova criada em 1998 pelo MEC – Ministério da Educação. Esta prova é utilizada por diversas universidades como acesso aos seus cursos, através do Sistema de Seleção Unificada (SiSU).

Tem duração de dois dias, contém 180 questões objetivas e uma questão de redação.

O peso da nota da redação para ingresso nas universidades varia conforme cada instituição. De qualquer maneira, é extremamente importante fazer uma boa redação.

Veja aqui os temas das redações de todas as edições do ENEM:

1998 – Viver e aprender

1999 – Cidadania e participação social

2000 – Direitos da criança e do adolescente: como enfrentar esse desafio nacional

2001 – Desenvolvimento e preservação ambiental: como conciliar os interesses em conflito?

2002 – O direito de votar: como fazer dessa conquista um meio para promover as transformações sociais que o Brasil necessita?

2003 – A violência na sociedade brasileira: como mudar as regras desse jogo

2004 – Como garantir a liberdade de informação e evitar abusos nos meios de comunicação

2005 – O trabalho infantil na sociedade brasileira

2006 – O poder de transformação da leitura

2007 – O desafio de se conviver com as diferenças

2008 – Como preservar a floresta Amazônica: suspender imediatamente o desmatamento; dar incentivo financeiros a proprietários que deixarem de desmatar; ou aumentar a fiscalização e aplicar multas a quem desmatar

2009 – O indivíduo frente à ética nacional

2010 – O trabalho na construção da dignidade humana

2011 – Viver em rede no século 21: os limites entre o público e o privado

2012 – Movimento imigratório para o Brasil no século 21

2013 – Efeitos da implantação da Lei Seca no Brasil

No site do INEP você pode ver os resultados de sua redação.

Abraços,

Declev Reynier Dib-Ferreira