Cotas em universidades públicas e… o preconceito!

Cotas em universidades públicas brasileiras e… o preconceito!

Ah, sim, acham que não é questão de preconceito? Então vejam esta foto:

Tenho alunos muito inteligentes, mas que não conseguem chegar a nem um décimo do que poderiam, devido aos diversos problemas que enfrentamos na escola pública.

Dentre eles, a dificuldade que temos em oferecer a estes um ensino mais avançado, pois que, se a escola é para “todos” – por força da Lei –, muitas vezes não conseguimos alcançar todos os alunos.

Devemos nos lembrar, porém, que dentre os pobres, os negros são os mais pobres.

Que dentre os mortos por violência, os jovens negros são os mais mortos.

Dentre os alunos das escolas públicas, os mais pobres e mais negros são os que têm maiores dificuldades e – inconscientemente por parte dos professores – provavelmente são os que menos têm ajuda e menos são cobrados, por acharem-se com menos “potencial” ou mesmo por desistência inconsciente.

Sim, isso é real.

Ah, sim, você acha, então, que as cotas deixam passar pelo “filtro” os menos aptos, os menos inteligentes, os que menos se esforçarão e aprenderão?

Então, falem isso baseado em pesquisas, em números, pois que estes afirmam ao contrário:

Desempenho de cotistas dica acima da média.

“Putz, que desculpas uso agora?”.

Abraços,

Declev Reynier Dib-Ferreira
A favor

= = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = =

No Diário do Professor você encontra artigos e links sobre o dia-a-dia da Educação:

Planos de aula, Atividades, Práticas, Projetos, Livros, Cursos, Maquetes, Meio Ambiente… e muito mais!

Compartilhe!

6 comentários sobre “Cotas em universidades públicas e… o preconceito!

  1. Sabe o que mais me chateia nesse negócio de cotas? O critério “racial”.
    Se as cotas forem destinadas a “pobres”, sem racismos, o efeito será praticamente o mesmo, uma vez que a grande maioria dos pobres no Brasil é das “raças” tidas como “inferiores” pelos euro-descendentes.
    E fica muito mais difícil argumentar contra cotas para os “desfavorecidos” (aargh!… “politicamente correto”…) do que trazer para o lado racial, o que é contraproducente, exatamente por estressar uma “diferença” que, na verdade, só existe na cabeça de quem não tem nada para se orgulhar.

  2. Sou a favor das cotas, acho que podem ajudar a equilibrar um pouco melhor uma injustiça histórica, e concordo que o preconceito racial existe e é forte no Brasil sim. É importante que seja dito sempre que os negros são os mais pobres devido a esse preconceito, à forma como acabou a escravidão no Brasil (vergonhosamente o último país a aboli-la!) e não por haver qualquer tipo de inferioridade!!!! Nunca é demais falar nesse assunto! Porque o preconceito existe sim, a escravidão continuou de outra forma, e, da mesma forma que nós, mulheres, levamos desvantagem ao disputar um emprego com um homem, por puro preconceito, o(a) negro(a) também leva, assim como o homossexual que não é “discreto”, entre tantos outros considerados, por algum motivo, “diferentes”, “inferiores”, “propensos a darem mais problemas do que outros”, etc. Então, acho que falarmos de cotas para pobres é importante, mas falarmos de cotas raciais também é, pois o preconceito existe sim e vive sendo escamoteado em nosso país.
    De qualquer forma, cotas são um paliativo, pois a educação de base, desde o pré-escolar, é que precisa melhorar muito para que, um dia, não sejam necessárias cotas, já que todos terão tido a chance real de competir de igual pra igual na hora de entrar numa faculdade. E, sem muito investimento em educação pública de crianças e adolescentes, fica impossível, como vemos diariamente dentro das escolas…

  3. Cotas é uma forma do governo se “redimir” das falcatruas , do não investimento em Educação.Cotas é uma forma do governo” tampar o sol com a peneira”, pois a educação continua igual ou pior a de anos atrás.
    Na educação falta tudo!!!Cotas para mim é assinar atestado de burrice…pois não é pelo fato de ser negro que ele tem
    menos capacitada que o branco.Aliás o próprio negro devia se opor as cotas,… como há. Ninguém é diagnosticado de inteligente, capaz ou não pela cor da pele; e trabalhando a 22 anos na Educação, posso afirmar que meus alunos negros, eram sim pobres,( como também muitos brancos) mas de forma nenhuma menos capazes, pelo contrário, interessados, organizados, e com muita sede de aprender.Essas cotas, como digo, é uma forma do governo se fazer de bonzinho, e é claro, se tornar o defensor dos oprimidos, dos coitados,( na visão deles) pois quem estimula este maldito preconceito é o proprio governo atráves da obrigatoriedade de cotas. Afirmo e reafirmo, não é a COR que faz a pessoa, e sim o seu CARÁTER.Devemos sim, lutar por uma educação de qualidade, para tornar um indivíduo capaz e apto para realizar seus objetivos independente de sua cor…
    Com Educação de qualidade, cotas não serão mais necessárias!!

  4. MAIS..PENSE BEM EM TODO O MOMENTO O GOVERNO TENTA IMPLANTAR A IGUALDADE ,POIS PERANTE A LEI SOMOS TODOS IGUAIS,PAGAMOS VÁRIOS IMPOSTOS E TEMOS OS MESMOS DIREITOS, ENTÃO SE SOMOS TODOS IGUAIS POR QUE A COTA?
    O GOVERNO ENTÃO NÃO ESTA GRITANDO QUE NÃO SOMOS
    TODOS IGUAIS NAO !
    PQ QUANDO VAMOS FAZER UMA INSCRIÇÃO A PERGUNTA SOBRE COR?
    É DE UMA HIPOCRISIA ENORME !
    O NEGRO SOFRE SIM COM O RACISMO, NÃO POR CAUSA DA SUA HISTORIA MAIS SIM POR PESSOAS QUE ACHAM QUE AINDA VIVE NA ANTIGUIDADE ONDE O NEGRO ERA VISTO APENAR POR TRABALHO BRAÇAL.

    • Susana,

      Somos iguais, mas sabemos que a sociedade trata desigualmente.

      Somos iguais perante a constituição, mas você quer comparar a igualdade do Eike Batista com um negro pobre morador de favela?

      O governo tem que fazer ações desiguais, sim, para criar igualdade.

Os comentários estão encerrados