Projeto de educação para uma escola diferente – como fazer algo diferente?

Olá gentes, desculpe a demora em escrever.

Pelos últimos acontecimentos neste país esquisito – o Brasil é surreal -, fiquei com milhares de coisas na cabeça (não, não são chifres!).

Passam centenas e centenas de idéias. Na realidade são tantas coisas que me imobilizam!

Independente de qualquer absurdo que vemos por aí – o Brasil é o país dos absurdos -, fiquei de escrever sobre a escola em que trabalho, lembram? (vejam o último post).

As coisas que bolei pra lá ainda não saíram do papel. Mas as movimentações começaram a ser feitas. É extremamente difícil colocar em prática, como todes sabem, pois os encontros dos docentes para planejar, conversar, trocar idéias, organizar as coisas são raros – ou inexistentes; além da resistência às novas novidades…

Nunca vi um país querer ser ‘desenvolvido’ contratando os professores por miséria 16 h/aula, sem dar a eles o tempo necessário para pensar, discutir e trabalhar em prol da escola como um todo, além de sua disciplina - já tratei disso por aqui, quando gerou uma boa discussão.

Bom, continuando, é isso.

Estou em fase de convencimento, explicação, conversas, chamamentos à ação dos colegas. Tenho a coordenadora do meu lado, também apaixonada pela idéia. Bom.

Então, cares amigues, por que vos digo isto?

Respondo-lhes…

Porque darei a vocês minha nada modesta brilhante idéia!

É um projeto que escrevi há uns dois ou três anos para esta mesma escola, sem ter sucesso na aplicação, mas que, teimoso, teimo em teimar fazer.

Se conseguir uns dois ou três parceires, faço.

Abro com esta idéia a categoria de linksBanco de projetos“, que vem a ser o local onde colocarei minhas fabulosas idéias, mais aquelas que eu achar por aí que forem interessantes para colocarmos em prática.

Colocarei abaixo em tópicos, apenas a linha central da idéia. Não é o projeto em si, que não está escrito. Um projeto, pra ser um projeto, deve ser bem detalhado, com os objetivos, metodologia, cronograma, pessoal que colocará em prática cada fase, etc. (Quem quiser saber sobre projetos, procure na categoria projetos, claro!).

Quem quiser colocar em prática a idéia, fique a vontade. Só peço para não esquecer de mim, senão eu choro, mantendo-me a par.

Divirtam-se:

PROJETO ESCOLA QUE PESQUISA

Por Declev Reynier Dib-Ferreira

  •  Divisão das turmas em grupos de 4 ou 5 alunos(as);
  •  Cada grupo terá um nome, escolhido pelo mesmo;
  •  Cada grupo receberá um caderno para anotações das atividades diárias nas disciplinas (relatório), que poderá ser acompanhado por todos os professores(as);
  •  Cada grupo escolherá um tema para trabalhar;
  •  Os temas serão dados pelos professores(as) em uma lista prévia. Pode-se, porém, ser escolhido um tema diferente pelo grupo, com autorização dos professores(as);
  •  O professor(a) separará uma ou mais aulas semanais de sua disciplina para a realização deste projeto, ou mesmo trabalhará somente com este projeto. Os outros tempos, se for o caso, trabalhará com conteúdos específicos da sua disciplina;
  •  Em todas as disciplinas os grupos irão pesquisar e trabalhar os seus temas, utilizando conceitos da própria disciplina, ajudados pelo professor em questão;
  •  O corpo docente deverá arrumar fontes de informação diversas para os grupos pesquisarem – não levará a “matéria” pronta, mas as fontes nos quais os grupos poderão pesquisar;
  •  O corpo docente deverá estar preparado, portanto, a ajudar a todos os grupos / temas a adicionarem informações ao seu trabalho através da sua disciplina;
  •  Deve-se, para isso, fazer uma mobilização para arrecadação de jornais, revistas, livros, enciclopédias, Atlas e outras fontes de informação.

É o seguinte, explicando novamente: a idéia geral é que toda a escola só trabalhe com pesquisa. Mas ao invés de cada professor/disciplina mandar os alunos fazerem um trabalho diferente, os alunos farão o mesmo trabalho, com o mesmo tema em todas as disciplinas.

Os professores deverão trabalhar aqueles temas direcionados para a sua área do conhecimento. Para isso lançarão mão de jornais, revistas, livros paradidáticos, didáticos, literários, vídeos, documentários, etc.

Ao final do projeto – que pode durar um trimestre letivo, por exemplo, se faz um evento para a mostra dos trabalhos. Fechando este ciclo, pode-se reiniciar, com novos temas para cada grupo.

Os temas serão sorteados e nunca repetidos dentro da escola- ou seja, cada grupo tem um tema único na escola inteira. E cada sala terá 5, 6 ou mais grupos. Se tiverem 10 salas, serão 50 a 60 temas atravessados por todas as disciplinas!

Exemplos de temas:

  • Aquecimento global;
  • Esportes e saúde;
  • Reciclagem;
  • Família Real no Brasil;
  • Drogas e violência;
  • Violência doméstica;
  • A imigração no Brasil;
  • A emigração brasileira;
  • Êxodo rural;
  • Mata Atlântica;
  • O teatro;
  • Artes plásticas;
  • Ocupação do solo urbano;
  • Pobreza no Brasil;
  • Machado de Assis;
  • Gravidez na adolescência;
  • Etc.

Então, por exemplo, o grupo que ficar com o tema “pobreza no Brasil”, quando tiver aula de Ciências será orientado pelo professer da disciplina a achar dados importantes para seu trabalho dentro da área de ciências (alimentação, corpo humano, consequências para a saúde, etc.).

Quando for aula de Geografia a mesma coisa, ligada a esta disciplina; de História idem e assim por diante.

O professer terá, então, em sua sala de aula, 5 ou 6 grupos trabalhando diferentes temas.´

É isso.

E aí João, um dos comentaristas oficiais, o que acha?

Abraços,

Declev Reynier Dib-Ferreira
Especialista em Projetos

Sobre Declev Dib-Ferreira

Declev Reynier Dib-Ferreira é professor, biólogo, educador ambiental, especialista em EA pela UERJ, mestre em Ciência Ambiental pela UFF, doutor em Ciências pela UERJ.

38 comentários

  1. Posso introduzir mais uma sugestão?… Ficaria excelente, principalmente útil na matéria de Lígua Portuguesa (ou Comunicação e Expressão, ou seja qual for o nome que estão dando a ela atualmente), umas aulas prévias de “como fazer uma apresentação” onde podem ser exploradas coisas tais como encadeamento de idéias, talvez um pouco de retórica, exploração de meios auxiliares (nem que seja a apresentação de objetos e cartazes, ou mesmo o uso do quadro de giz).

    E – pode ser que eu esteja alçando um vôo alto demais – preparar os grupos para distribuírem resumos impressos de suas apresentações.

    A idéia subjacente: os alunos serem os próprios professores e os professores atuarem mais como “orientadores de tese”, me parece formidável.

    A idéia é aplicar o método a partir de que série/ano?…

  2. É esse o espírito da coisa e desdobramento natural do projeto, João.

    No meu caso, minha idéia é no 2o segmento do fundamental (antigas 5a a 8a séries, agora 6o ao 9o anos), pois é nele que trabalho.

    Mas poderia muito bem ser aplicado em qualquer nível de escolaridade.

    Até mesmo escolhendo uma só turma para desenvolver um trabalho destes. Mas a riqueza está em toda escola fazer junto, como uma metodologia própria dela.

    E a apresentação dos trabalhos – esqueci de dizer – inclui diversas formas, tais como resumos impressos, maquetes, apresentações orais, explanações no quadro, uso de data-show (se tiver), cartazes (alunos adoram uma cartolina!), entre todas as outras que a imaginação deles e a orientação dos professores deixarem.

  3. Olá,

    Tomo a iniciativa de postar por ter gostado do seu jeito bem-humorado(tb.sou)para as coisas.Adorei a proposta para projetos.Sou tb. fascinada por isso tudo,mas preciso sentar poeira e reservar atenção para esse segmento.Irei visitar sempre que puder seus comentátios atraves desse espaço.Digo só prá reforçar( pois sei o quanto acreditas nas tuas idéias)segue mesmo, vai ser lindo! abraços Sandra

  4. Obrigado Sandra, principalmente pelo “bom-humorado”… rs. Já me chamaram no meio virtual até de ter um “pensamento radical e pessimista”

    (http://aveirocoimbra.wordpress.com/2008/04/03/diarios-de-herois/)

    Mas pode deixar que colcocarei sempre novidades sobre os trabalhos por aqui.

    Abraços.

  5. Tânia Maria

    Olá,Declev!Achei super legal a tua proposta de projetos, fico pensando como se daria na JB,E COM OS PROFS.DAQUELA ESCOLA.Acho que vou propor àqueles que
    chegaram agora , pois estão com muitas idéias e vontade de fazer uma escola diferente,quem sabe os demais se contagiam? Um braço!
    (Tânia)

  6. Oi Tânia, obrigado.

    Tentei fazer no Rio, mas confesso que é muito difícil, por uma série de impedimentos que podem ser resolvidos, mas não sei se por mim…

    Não temos horário certo para nos encontrarmos (os professores), só temos fora de sala de aula uma coordenadora, super atarefada por conta das inúmeras ocorrências de alunos, responsáveis, etc.; a sala de leitura vive fechada, a sala de informática não tem ninguém responsável…

    Em Niterói temos tudo na mão para fazer: equipe técnico-pedagógica (agora ATP, né?) com 3 pessoas (ou mais, se contarmos os dois ou três turnos da escola); horário semanal fixo para reuniões de PLANEJAMENTO (olhaí a oportunidade, se este projeto entrar no planejamento da escola, intrincado com o PPP!); sala de leitura, sala de informática; e, muitíssimo importante: professores FORA DE SALA DE AULA só para ajudar a fazer estes trabalhos!!!

    Realmente, só não se faz algo diferente porque não se quer né?

    E eu sei que, mesmo assim, é difícil!

    Ô raça difícil essa nossa não?

    Boa sorte. Gostaria muito de notícias e torço imensamente para que dê certo.

    Se precisar de ajuda, palestra, formação, material, qualquer coisa, sabe onde me encontrar, na FME.

    Abraços.

  7. olá,Declev!
    Tentei falar com você na fme, não consegui, mas a idéia era que você fizesse uma formação com os professores no capue, final de julho, mas fui informada que vc estaria de férias nesta data.Mesmo assim ,pretendo propor o projeto aos professores, nossa meta é implementá-lo ao longo desse semestre.Darei notícias.
    UM ABRAÇO.
    BOM DESCANSO!

  8. Oi Tânia,

    Estarei de volta dia 3 de agosto. Podemos marcar para depois desta data? Irei com muito gosto.

    Abraços.

  9. tania maria vieira de sena

    BOA NOITE,DECLEV!

    Nós, da EMJB,estamos às voltas com o projeto escola que pesquisa,trabalhado sobre alguns países que participam das olimpíadas.Dividimos em alguns ítens:cultura,culinária,curiosidades, pontos turísticos,política,economia,aspectos geográficos,meio ambiente,etc,e tem sido muito legal ver a mobilização de professores e alunos para dar conta da pesquisa.Uma fala dos professores é que não tem sido fácil gerenciar essa inquietude porque eles, os alunos, não têm o hábito de pesquisar e de ~emitir suas opiniões sobre as aulas ,recebem tudo mastigado,até por conta das proprias práticas dos professores, mas, está sendo uma experiência riquíssima!Os trabalhos serão apresentados numa mostra cultural no final do mês.
    É UM MOVIMENTO EMBRIONÁRIO AINDA MAS É UM GRANDE PASSO!
    UM ABRAÇO, E, EM BREVE RECEBERÁ O CONVITE PARA PARTICIPAR DA EXPOSIÇÃO.
    Tânia.

  10. Oi Tânia,

    Fico muito feliz com as notícias.

    E esta impressão dos professores, esta dificuldade, é real, acontece mesmo.

    Realmente os alunos não estão acostumados a pesquisar, sofro isso em minhas aulas.

    Perguntas como “o que é pra fazer?”, “está em que página?”, “é pra copiar daqui até aqui?” são frequentes.

    Mas acredito que o caminho é esse, pois com o tempo, com o costume, eles saberão, no futuro, buscar seu próprio conhecimento – mesmo que direcionados por alguém mais experiente.

    Faço questão de ver os resultados.

    abraços.

  11. Olá, Declev
    hoje é natal, e como outros estou aqui imbuida, dos melhores sentimentos natalinos que os enlatados norte americanos puderam me passar.( temos que combinar o pessoal de lá sabe azer filmes!)
    Então , comecei a desenvolver um projeto na escola com apoio de uma das coordenadoras e uma vice-diretora, mas estou com muita dificuldade para sensibilizar realmente o restantes dos colegas. comecei abordando o meio ambiente e logo chegamos a escolha seletiva de trabalharmos com lixo, nossa escola tbem é numa comunidade carente de tudo, valores, respeito e sonhos…
    adorei entrar neste site. gostaria de conversar mais com vc, pois pretendo botar a mão na massa nestas férias e tentar conseguir palestrantes, motivacionais e sobre meio ambiente. Para colocar fogo no pessoal. tambem peço permissão antecipada , para poder usar algumas falas tuas ou ideias que possam ajudar a implantar meu projeto. Se vc quizer posso depois que alterar alguns pontos enviar uma cópia do que já tenho, pois agora , (2009) eu , a coordenadora Cacau, e uma amiga de cadeira (história) gostariamos de englobar muitas atividades neste projeto. e como vc fazer atividades para tornar nossa escola diferente.
    Vamos começar a trocar figurinhas?
    parabens!
    Abraços
    Beth Guarujá /São Paulo

  12. Olá

    sou professora de História da rede estadual e privada-SP. Já desenvolvi alguns projetos com meus alunos e fiz parte de uma equipe que capacitou professores de uma cidade paulista sobre este assunto. Como você mencionou que sua proposta de trabalhar com projetos na escola não vingou, vai ái uma dica: os projetos devem partir, de preferência, dos interesses dos alunos por algum tema. Vale qualquer assunto: futebol, moda, namoro. Todos os temas podem dar certo.Detalhe importante: trabalhar com projetos não é deixar os conteúdos de lado: é abordá-los de forma diferente, por meio do diálogo.
    Um abraço, parabéns pelo site e sucesso!

    • Oi Suely,

      De fato os temas podem partir dos alunos e vale qualquer assunto.

      Eu trabalho assim em minhas aulas.

      Mas por vezes os projetos não vingam não é por causa dos alunos, mas por causa de nossos próprios colegas, professores, que sentem extrema resistência nas mudanças. E por causa da própria escola, que tem sua estrutura organizada apenas para aquela sala de aula convencional.

      Como eu disse, eu quebro isso dentro de minha sala, sem esperar que a escola toda o faça. Por vezes eu ‘influencio’ alguns.

      Abraços.

  13. E aí, Declev……também estou na RECEA…….agradecido pela provocação. Sua abordagem e propostas indubitavelmente emocionariam – emocionam – os alunos na produção e apresentação do material e, certamente aprenderiam a apreenderiam as leituras possíveis, principalmente do meio no qual vivem ou vivenciam. É certamente uma forma gostosa de contextualização. Sou professor de História no Território do Caparaó Capixaba, resido em Alegre, mas há 4 anos não leciono, pois trabalho numa secretaria de meio ambiente, mas apesar da distância das salas de aula, tenho amarrada nas palestras e sensibilizações , principalmente as disciplinas de História, sociologia, Geografia e Meio Ambiente; estou adorando a participação das galerinhas . Tenho provocado o PERTENCIMENTO.
    Lí também o outro texto; muito bom : Escola de aula……
    Saúde, parabéns, abç Caparaoense, Geraldo

  14. marcia valeria longuinho

    parabens,pelo seu projeto,não desista pois a persistencia leva ao exito

  15. Boa noite Declev

    Estou terminando um TCC sobre trabalho com projetos em Educação Ambiental de uma pós que fiz pelo Senac. Se for do seu interesse posso lhe enviar para dar uma olhada e quem sabe contribuir com algumas discussões entre os colegas, neste espaço. Sem pretensões de outra ordem, claro.
    Gostaria de participar mais, no entanto estou na correria para entregar o texto esta semana e devo defender no começo de junho. Pesquisei 195 escolas que desenvolveram projetos de EA em 2007. As conclusões são bem interessantes…

    Um abraço e felicidades!

  16. gostaria de receber dicas sobre elaboração de projetos de educação ambiental.agradeço

  17. Boa tarde, gostaria de receber dicas a respeito de projetos de Educação Ambiental e dinâmica em a respeito do tema.
    Grato, Célio Carlos

  18. Olá Declev…

    é tão difícil colocar em prática uma boa idéia numa escola no Brasil?
    Vamos abrir uma escola revolucionária então, porque eu estou também cheia de idéias e quando voltar ao Brasil não vou aceitar não como resposta!
    Gostei muito do seu projeto, continua teimando mesmo, que quando for posto em prática e for um sucesso, vai ficar mais fácil para as outras escolas adotarem projetos como este, e desdobramentos que possam dele surgir.
    O ensino tem que mudar! Não tem mais cabimento nos dias de hoje um professor entrar numa sala de aula com um giz na mão, encher o quadro e ficar falando quase sozinho durante 40-60min.
    E o caminho é o professor orientador, promovedor de debate e instigador de interesse pelo conhecimento em si. Utilização de multimídia e desenvolvimento do senso crítico nas crianças e adolescentes para que eles aprendam também a lidar com as informações que chegam através da mídia e saibam selecionar suas fontes de pesquisa.

    Enfim, parabéns pelo projeto, boa sorte e não desista !

    Abraços,
    Raquel

  19. gostaria receber modelos de projetos em educação ambiental
    grato.

  20. Ivanildo Soares

    No movimento escoteiro é utilizado esse método e temos resultados excelente pois toda atividade é realizada em patrulha como chamamos.

  21. Esse projeto é excelente. Aproveitando a oportunidade é importante se trabalhar como tema tambem a questão da cultura afrobrasileira e indigenas como cumprimento da lei federal de número 11.645 de 2008 que torna obrigatória a implantação do estudo da história e cultura indígena e afrobrasileira no currículo escolar das redes pública e particular.

    • Oi Suzi,

      Obrigado pela lembrança.

      O projeto em questão dá a liberdade de se trabalhar o tema que quiser, e fazer com eles as pontes necessárias às disciplinas curriculares.

      Pena que nossa escola seja engessada para tais movimentos diferentes…

      Abraços,

  22. Eliabe de Souza

    Olá, Declev
    Eu gostei tanto do seu projeto que, poderia tentar implantar no colegio que eu trabalho (com sua autorização e seu apoio é claro). Para bens pelo projeto. Abraços..

  23. Estou em vias de começar um projeto de leitura em uma escola de minha cidade a pedido de uma acessora do secretário de educação do Piauí! Minha cidade, Pedro II, foi eleita a primeira maravilha do Estado, possui um Festival de Inverno e ganhou notoriedade. Seu artigo é esclarecedor. Me inspirou bastante. Poderemos manter essa conversa ao longo do tempo. Um abraço.

  24. Gostei muito do seu projeto, por acaso estou procurando orientação para elaborar um e achei o seu, estou começando agora na educação e tenho muita vontade de fazer algo diferente.
    Abraços….

  25. Boa tarde!
    Estou fazendo um projeto montando uma escola, minha parte é a dos professores,como por ex:contrata-los,disciplinas,gastos,quantidade de professores dando aulas por semanas,gostaria que vc me ajudasse nesta tarefa,porque vi que vc tem muita experiência no assunto.
    Fico grato.ROMES

  26. Olá,

    gostei muito das ideias… estou à procura de um colega motivado que queira fazer uma troca de cartas com meus alunos do ensino fundamental, estou trabalhando “sustentabilidade e civilidade”. Pode me ajudar?

  27. Boa noite, estava eu aqui a pesquisar para um trabalho da faculdade que até então julgava muito difícil…até começar a ler os comentários, parece que tudo ficou mais claro pra mim, obrigado gente, ah faço faculdade de Pedagogia e preciso montar um projeto TRANSDISCIPLINAR, escolhi o tema: Corpo Humano, se alguém tiver alguma dica será bem vinda, obrigado!

  28. Oi
    Declev Dib-Ferreira, por favor estou na sala de leitura, e preciso propor, fazer projetos com meus alunos, sem muita experiência, mas com bastante esforço e dedicação, buscando ajuda para aprender criar e dar o melhor a eles. Preciso da sua ajuda, como montar e fazer os pprojetos, ideias, temas, enfim tudo. aguardo seu contato.grata

  1. Pingback: Declev via Rec6

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>